terça-feira, 15 de julho de 2014

Análise Semântica

Olá, pessoal!
O assunto da postagem de hoje é na verdade mais fácil do que se pensa. Eu ia já começar a tratar das classes gramaticais e a análise sintática, mas decidi que é melhor começar pela semântica.
Primeiramente, deve-se saber que semântica é o estudo do significado, que incide sobre relação entre significantes (palavras, frases, sinais e símbolos) e o que eles representam.
Antes de começar qualquer estudo mais aprofundado, precisamos definir aqui as duas formas em que uma palavra pode se apresentar dentro do texto: no sentido denotativo ou no sentido conotativo. Essas duas possibilidades estão diretamente ligadas com o sentido que a palavra pode adquirir de acordo com seu emprego, a saber:

- Denotação: é o uso da palavra em seu sentido original, básico, objetivo, na exata forma como é retratada pelos dicionários.
Exemplo: Aquele muro foi construído com pedras.

- Conotação: é o uso da palavra em sentido figurado, dependente do contexto em que ela se apresenta. A conotação é muito usada na linguagem poética e também na nossa fala cotidiana, por toda a expressividade que carrega.
Exemplo: Você tem um coração de pedra.

Para tratar do aspecto semântico da língua, são levadas em conta as seguintes propriedades:

- Sinonímia: é a divisão da semântica que estuda as palavras com significados iguais ou semelhantes, ou seja, os sinônimos.
Exemplo: casa - lar - moradia - residência

- Antonímia: essa divisão estuda as palavras com sentidos opostos, ou seja, os antônimos.
Exemplo: mal / bem ; mau / bom

- Polissemia: é a propriedade que uma mesma palavra tem de apresentar múltiplos significados, identificados de acordo com os variados contextos em que aparecem.
Exemplo: manga (da camisa; fruta)

- Homonímia: relação entre duas ou mais palavras que possuem significados diferentes, mas são idênticas na escrita, na pronúncia, ou na escrita e na pronúncia, dividindo-se da seguinte forma:
Homônimos Homógrafos: palavras diferentes na pronúncia e iguais na escrita.
Exemplo: gosto (substantivo) / gosto (1ª pessoa do singular no presente do indicativo do verbo gostar)

Homônimos Homófonos: palavras iguais na pronúncia e diferentes na escrita.
Exemplo: acento (sinal gráfico) / assento (local onde se senta)

Homônimos Perfeitos: palavras iguais na pronúncia e na escrita.
Exemplo: verão (verbo) / verão (substantivo)

- Paronímia: relação entre duas ou mais palavras que possuem significados diferentes, mas são muito parecidas na escrita e na pronúncia.
Exemplo: cavaleiro (que cavalga) / cavalheiro (homem)

Caso tenham curiosidade, vocês podem clicar aqui para mais exemplos de homônimos, e aqui para conhecer outros parônimos.

Além dos supracitados, a semântica moderna faz uso dos termos hiperônimo e hipônimo, que são importantes recursos na coesão do texto, evitando a repetição de palavras. São explicados da seguinte maneira:

- Hiperônimo: palavra que pertence ao mesmo campo semântico de outra palavra, mas com um sentido mais abrangente.
Exemplo: Flor é um hiperônimo para rosa, margarida, jasmim, e outras.

- Hipônimo: tem um sentido mais restrito que o hiperônimo, ou seja, é um vocábulo mais específico.
Exemplo: Gripe é um hipônimo de doença.


Sinto-me na obrigação de, ao final das postagens, dizer a vocês em quais páginas me apoiei para redigir a explicação. Então, hoje os sites que mais me ajudaram foram este (que, aliás, já é de praxe), e este aqui.
Por hoje é só, pessoal. Em caso de dúvidas, perguntem e eu tento ajudá-los.
Beijos da Meens.

2 comentários:

  1. Venho sempre aqui para relembrar e tirar dúvidas desse querido e complexo idioma.
    Parabéns pela iniciativa
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio e incentivo, vovó!
      Beijos.

      Excluir