domingo, 23 de março de 2014

Crase e a dificuldade que na verdade nem existe

Olá!
Passei uma semana protelando, mas finalmente venho aqui, desta vez para falar sobre o uso da tão odiada crase.
Primeiramente, gostaria de dizer que, ao contrário do que todos pensam, não é tão difícil assim saber as ocasiões em que se deve empregá-la. Na verdade, o caso geral é bem fácil, e partindo dele você já é capaz de acertar 99% das vezes. Só se torna mais difícil de saber quando é em uma expressão específica, mas também não é o fim do mundo.

Crase é uma palavra grega que significa "fusão", o que já explica de que se trata o fenômeno, que nada mais é do que a junção de duas vogais idênticas em uma só. Esse fenômeno é marcado pelo uso do acento grave ( ` ), erradamente chamado de crase. Então, lembre-se disto: crase é o nome do fenômeno; o acento utilizado se chama acento grave.
A crase ocorre quando a preposição "a" é sucedida por outro "a", podendo ser este um artigo definido, um pronome demonstrativo (caso você não soubesse que isso era possível, leia aqui), a letra inicial de pronomes demonstrativos, como ocorre em "aquele (s)", "aquela (s)", "aquilo", ou a letra inicial do pronome relativo "a (s) qual (is)".
A regra diz que, para saber aplicar corretamente esse fenômeno, é necessário conhecer a regência verbal e nominal, para que se saiba exatamente quando há e quando não há o uso da preposição "a". Mas há uma forma bem prática de verificar isso, sem passar a vida tentando decorar todos os verbos que são transitivos indiretos, e, dentre esses, quais exigem o uso de tal preposição. Veja:

Cheguei ao apartamento de Maria.

No caso acima, temos "apartamento", que é um substantivo masculino. E, acompanhando o verbo "chegar", temos a preposição "a" e o artigo definido masculino "o". O que acontece aqui é o mesmo que acontece no fenômeno da crase, mas, como são duas letras diferentes, elas são unidas, formando uma só palavra ("ao"). Agora veja:

Cheguei à casa de Maria.

Diferentemente do caso anterior, agora temos o substantivo feminino "casa". Assim sendo, a união é feita entre a preposição "a" e o artigo "a", como marca o acento grave. Se não houvesse a crase, a frase ficaria: "Cheguei a a casa de Maria", fazendo uma repetição desnecessária.
Agora tomemos outro caso como exemplo:

Conheço o aluno que entrou em sala agora.

Nesse caso, "conhecer", que é um verbo transitivo direto, não pede a preposição acompanhando-o. Assim sendo, ao passar para o feminino, a frase seria:

Conheço a aluna que entrou em sala agora.

Assim mesmo, só o artigo, sem a preposição (logo, sem o acento grave).
Essa dica de mudar do feminino para o masculino já resolve boa parte das dúvidas quanto ao uso ou não uso do acento grave. Porém, há um outro caso que gera inúmeras dúvidas: quando se trata de um lugar, devo ou não usar o acento grave? Para essa dúvida, aprendi uma regrinha boba em 2007 lendo uma dessas revistas pré-adolescentes (e quem disse que elas não podem ser úteis de vez em quando?) e que uso até hoje. A regrinha consiste em:

"Se vou à e volto da, então crase há.
 Se vou a e volto de, crase pra quê?"

Assim sendo:

Vou à Bahia. (Porque "Volto da Bahia.")
Vou a Salvador. (Porque "Volto de Salvador.")

Se quiserem dar mais uma lida, sugiro a vocês esta página, o texto aqui é bem bacana.
Qualquer dúvida que tiverem dentro deste assunto, deixem nos comentários ou mandem por e-mail que responderei logo que possível.
Espero ter ajudado!

7 comentários:

  1. Essa postagem está bem didática, ótima para servir de consulta.
    Claro que já coloquei nos favoritos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha achado isso, vó! Espero que todas fiquem igualmente didáticas.

      Excluir
  2. concordo com a maninha professora

    ResponderExcluir
  3. Nossa, sério, adorei o texto, aprendi algumas coisas que, mesmo sendo relativamente boa em português, não sabia. Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico contentíssima por saber que ajudei. Precisando de qualquer coisa, pode falar comigo.

      Excluir
  4. O texto está excelente!
    Parabéns, Yasmin.

    ResponderExcluir